O parque Botumirim já vai nascer reduzido. Sua área prevista de 38 mil passará para 36.188 hectares. O anúncio foi feito pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), durante audiência pública para discutir a criação da área verde, localizado a 170 km de Montes Claros, no Vale do Jequitinhonha.

Também foi anunciada a incorporação de 2.724 hectares do município de Bocaiúva, ou seja, seriam desapropriados de Botumirim 33.464 hectares. Primeiro passo para o processo de criação da unidade, a audiência ocorre três meses após a criação, pela Save Brasil, da Reserva Natural Rolinha do Planalto, considerada extinta há 75 anos.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente de Botumirim, Hilton Barroso Oliveira Filho, a reunião tirou muitas dúvidas, “principalmente em relação a produtores rurais, já que pela nova área poucos serão atingidos”. 

Em sua opinião, o município só tem a ganhar com a criação do parque, não apenas por aumentar o repasse do ICMS, como por criar toda uma estrutura para preservação de sua biodiversidade. Ele acredita que o parque seja criado, no máximo, em 2019.

Barroso informou que o futuro parque vai abranger dois rios importantes, o do Peixe e Ribeirão do Onça; bem como a Campina do Bananal, com mais de 1.500 metros de altitude; e a Vereda da Estiva, que tem em seu entorno um sítio arqueológico com pinturas rupestres. 

O evento, realizado na Escola Estadual Esteves Rodrigues, reuniu a prefeita Ana Pereira Neta, a superintendente regional do IEF, Margareth Caíres, o presidente da Fundação Darcy Ribeiro, Paulo Ribeiro, ambientalistas e produtores rurais.