Aulas de capacitação e garantia de participação em feiras e eventos ligados ao artesanato. Esse é o leque de oportunidades que profissionais de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, passarão a contar em Minas. Na semana passada, eles receberam a chamada Carteira Nacional do Artesão e Trabalhador Manual. 

O título é concedido pelo governo de Minas, por meio do Núcleo de Artesanato da Secretaria de Estado Extraordinária de Desenvolvimento Integrado (Seedif) e Fóruns Regionais. O Estado realizou o cadastro de mais de 50 artesãos da cidade, além de ouvir e identificar as demandas deles para valorizar o ofício.

“Minas é rica em cultura e o artesanato faz parte deste conjunto, sendo fonte de renda para muitas famílias do Estado. Em Diamantina não é diferente, que se caracteriza como uma cidade turística que movimenta toda a população. A Carteira do Artesanato regulamenta a atividade e abre mais oportunidades”, disse o subsecretário da Seedif, Pedro Leão.

Por meio da Seedif, o governo intensificou o cadastro dos artesãos em todo o Estado. Em 2017, foram mais de 2 mil profissionais catalogados, número 75% maior do que no ano anterior. 
 
MAIS ARTESANATO
A entrega das carteiras também propiciou a realização da 1ª Roda de Conversa do Projeto Mais Artesanato, em Diamantina. Lançado em dezembro do ano passado, o programa tem como objetivo coordenar as ações que vão incentivar a formalização e a organização da cadeia produtiva. Poucos dias depois de lançada a estratégia, um edital já foi disponibilizado com propósito de fortalecer e fomentar as cooperativas e associações. 

O investimento, por parte da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), é de R$ 1,8 milhão e a estimativa é beneficiar 720 artesãos, 80% deles em comunidades no interior.