Quando a funkeira Anitta prometeu aos fãs, no início de 2017, lançar música e clipe novos a cada mês do ano, talvez não imaginasse que “Vai Malandra”, divulgado em meados de dezembro, seria um dos hits do Carnaval 2018. 

A repercussão do lançamento se deveu não só à música de batida “chiclete”, mas também à atitude tanto da cantora quanto das figurantes do vídeo que, em pouco mais de 40 dias, soma mais de 175 milhões de visualizações somente no perfil oficial de Anitta no YouTube.

Das polêmicas do biquíni de fita isolante às celulites que aparecem em um bumbum no começo do clipe, que a funkeira afirma ser dela, a verdade é que a influência exercida pela cantora e sua autoestima ultrapassaram limites.

Para Aldo Clecius, consultor de moda e beleza, as “malandras” vão tomar conta da folia. “Um look meio ‘hip hop over’, como se fossem cantoras norte-americanas misturadas com funk brasileiro. Valem estampas de onça, camisetas rasgadas com franjas, shortinhos de cintura alta, tudo isso misturado com tênis”, observa. 

O especialista ressalta que o cenário do funk como um todo influenciará no modo de vestir na folia deste ano. “Vejo como grande presença a Jojo Todynho, de ‘Que tiro foi esse?’, trazendo a fantasia funkeira para o Carnaval, também”, afirma. “Antes, as pessoas iam como queriam de forma jocosa, mas, agora, estão mais à vontade para ir pra folia como querem mesmo”, conclui.
 
FUNDAMENTAL
Cabelo e maquiagem são essenciais para compor o visual proposto no clipe de Anitta. Responsável pela produção de beleza das modelos que ilustram essas páginas, a maquiadora e cabeleireira Looh Rocha acredita que a produção deve contemplar um olhar fatal, batom marcante e penteado com tranças. 

Para ela, a brasileira já nasce malandra no jeito de ser. “No caminhar, falar, na ginga para dançar. Basta evidenciar o que já somos com uma pitada a mais de ousadia e criatividade”, diz a expert.