Em 2017, mais de 1.000 jovens moradores de periferias de Belo Horizonte, Betim, Contagem, Ribeirão das Neves, na região metropolitana, e Passos, no Sul de Minas, puderam participar do Projeto Trampos, que integra o Programa Juventudes, um dos principais do Estado voltado para a emancipação, autonomia, proteção social e inclusão produtiva de jovens de 15 a 29 anos moradores de regiões expostas a situações de vulnerabilidade e risco social.

Iniciativa do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), em parceria com a Secretaria de Educação (SEE) e prefeituras, o Trampos é fruto de deliberação dos Fóruns Regionais de Governo. O projeto permitiu mapear as oportunidades de emprego e empreendedorismo nos territórios priorizados, além de ofertar aos jovens moradores dessas regiões, orientação profissional e cursos de qualificação.

No ano encerrado há pouco, foram executadas duas ações do Trampos: a articulação local para inclusão produtiva de jovens, em parceria com a Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais (Utramig) e a oferta de cursos de qualificação profissional, em conjunto com a SEE.

A articulação local para inclusão produtiva de jovens mobilizou nas vilas e favelas uma rede de 225 parceiros, entre representantes de instituições governamentais, ONGs, grupos e coletivos, movimentos de jovens e referências comunitárias.
 
LEVANTAMENTO
Também foi realizado um levantamento das atividades produtivas nas áreas de emprego e empreendedorismo, por meio de entrevista com 509 empreendedores locais e um estudo do perfil socioprofissional de 947 jovens, além da execução de 76 oficinas de orientação profissional para o emprego, empreendedorismo e construção de projeto de vida, que contou com presença de cerca de 1.000 jovens.

Já os cursos de qualificação, ofertados pelo Instituto Yara Tupynambá e Empresa Foco Opinião e Mercado, foram realizados em 10 regiões dos cinco municípios priorizados. Ao todo, 1.200 vagas foram disponibilizadas, em sete cursos: analista de mídias sociais, desenvolvedor de aplicativos para dispositivos móveis, editor de projeto visual gráfico, assistente de produção cultural, confeitaria, organização de eventos e mecânico de motocicletas.

“Essa estratégia para os jovens é diferenciada porque ela tem um caráter de formação para o mundo do trabalho, não necessariamente para o mercado ou posto de trabalho, e isso fomenta o protagonismo juvenil”, afirma a secretária da Sedese, Rosilene Rocha.

Mais investimentos
Para 2018, o investimento do Governo de Minas no Programa Juventudes, que em 2017 foi de R$ 3 milhões, vai mais do que triplicar e passará a ser de R$ 21 milhões. O anúncio foi feito em setembro, em cerimônia de formatura do Trampos, em BH.
 
O Programa Juventudes será expandido para 10 cidades mineiras (Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, São João del-Rei, Teófilo Otoni, Paracatu e Uberlândia) e vai ofertar cursos de qualificação e minicursos de orientação profissional para cerca de 8 mil jovens.
 
O Juventudes prevê, ainda, o início da execução do Projeto Mosaicos, que visa o aprimoramento da oferta de serviços socioassistenciais, por meio da realização de formação na modalidade “supervisão técnica”, para os trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (Suas) em Belo Horizonte, Contagem, Betim, Ribeirão das Neves, Divinópolis, Juiz de Fora e São João del-Rei.

As atividades serão presenciais e cada município vai contar com no mínimo uma turma de até 20 profissionais. 


Construção participativa
O Projeto Trampos, além de priorizar as áreas mais carentes de Minas Gerais, é também construído de forma participativa com os jovens que contribuíram na elaboração e na execução da política a partir de entrevistas e oficinas. Esse planejamento participativo é destacado pela secretária da Sedese, Rosilene Rocha.

“Nós sempre tivemos políticas públicas para jovens, mas com a cara dos adultos que as formulam e as implementam, o que não acontece aqui, pois estamos aprendendo com esses jovens a fazer políticas para eles”, destaca.

Os momentos vividos durante a formação nunca serão esquecidos por alguns dos alunos, como conta Lucas de Paula, de Belo Horizonte e aluno do curso Assistente de Produção Cultural. “A experiência foi completamente diferente do que eu imaginava, eu amei o curso e os profissionais foram excelentes”, diz.

Um diferencial do Projeto Trampos em relação a outras propostas de formação é oferecer ferramentas que auxiliem os jovens a se tornarem empreendedores. 

Suelen Tomaz da Silva, moradora do Aglomerado da Serra, em BH, que concluiu o curso de Organização de Eventos em agosto, está no caminho. “Sempre gostei da área de eventos, mas minhas ideias não saíam do papel, ou melhor, nem iam para o papel. Depois do auxílio do curso, já estamos desenvolvendo vários projetos”, revela.