Formar mulheres capazes de se destacar como lideranças junto à população. Esse é objetivo do curso “Defensoras Populares”, que vai capacitar mineiras até dezembro deste ano. As participantes serão capazes de encontrar a solução de demandas comuns da comunidade onde vivem.

A iniciativa é desenvolvida pela Escola Superior da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais. Conhecimentos sobre o órgão e o acesso a direitos são oferecidos às participantes. Violência doméstica e acesso aos serviços de saúde também são temas que integram o cronograma de aulas. 

“Acreditamos que a ação vai dar voz e aproximar mulheres com propósitos afins. Após o primeiro encontro, tenho certeza de que o grupo que se formará terá grande protagonismo, replicando conhecimentos, fortalecendo relações e, sobretudo, reivindicando direitos”, afirmou a diretora da escola da defensoria, Hellen Caires Teixeira Brandão.
 
APRENDIZAGEM
Além das aulas teóricas, dinâmicas também estão previstas. Nelas, ocorrem rodas de conversas, mostra de filmes, exposições artísticas, dentre outras atividades. A prática, que nasceu na Defensoria Pública de São Paulo e foi disseminada para várias defensorias do Brasil, pretende destacar temas que foram demandados pelo público-alvo e são indispensáveis para o exercício da cidadania.

“A metodologia diferenciada, que busca identificar as necessidades das alunas em seus contextos sociais, torna palpável os conhecimentos para que as futuras defensoras públicas possam garantir os direitos na comunidade”, explica a defensora Samantha Vilarinho Mello Alves. Ela é titular da Defensoria Especializada na Defesa dos Direitos das Mulheres em Situação de Violência (Nudem – BH).

Dentre os participantes, a iniciativa é vista com bons olhos. “Vejo muitas mulheres sendo agredidas e não saberem como se defender. Por isso, o curso é importante para toda a sociedade. Pretendo, assim que me formar, constituir um núcleo de atendimento gratuito a mulheres que sofrem violência doméstica e social”, disse a diagramadora e estudante de Direito, Cleusa Maria Soares.

Quem também considera o curso importante é a secretária adjunta de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais, Mariah Brochado. Para ela, a iniciativa é “urgente” para a sociedade. “Estamos satisfeitos em estarmos envolvidos no primeiro projeto de Defensoras Populares do Estado, para que as mulheres possam, em suas respectivas comunidades, ser uma fonte de auxilio e interlocução entre a Justiça e a sociedade”.
 
AOS SÁBADOS 
As aulas gratuitas, que acontecem aos sábados, foram iniciadas há duas semanas. A expectativa é a de que o projeto ocorra anualmente. A Escola Superior da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais fica no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul de Belo Horizonte. Mais informações pelo e-mail escolasuperior@defensoria.mg.def.br.