Popular no Brasil na década de 1970, o gim voltou a ser uma das bebidas mais pedidas nos balcões de bares e restaurantes do país inteiro. Puro ou como estrela de drinks dos mais variados e saborosos, sobretudo para os amantes de paladares intensos, ele vem fazendo sucesso. Motivo? A versatilidade na mistura com diversos ingredientes e, no Brasil, principalmente, a refrescância, par perfeito do clima tropical. 

Destilado de cereais infusionado com especiarias como o zimbro – marca registrada do sabor potente –, ele é estrela em drinks-curinga, como o já conhecido Gim Tônica, à base da matéria-prima alcoólica e do refrigerante gasoso, e em misturas mais inusitadas – com ingredientes cítricos como o limão – e refrescantes, como o pepino.

O mixologista Filipe Brasil associa a popularidade da bebida à versatilidade, mas chama a atenção para o risco das misturas sem cautela. 

“O zimbro determina o sabor, mas o gim também leva angélica, alcaçuz, pimenta, cássia, coentro e mais uma série de especiarias, daí a importância do cuidado com os aromas já presentes para um ou outro ingrediente não sobressair”, alerta. 

O também mixologista e professor de cursos de gastronomia e bebidas, Cássio Batista, diz que um dos principais atrativos do ingrediente é a refrescância. Por este motivo, opina, a bebida vai bem em combinações com limão siciliano, cujo sabor é mais suave, e com a água tônica, que equilibra o excesso de aromas com o amargor característico.

“Há quem associe o cheiro do gim ao de perfume, justamente pela presença de muitas especiarias. Quem se identificar com essa característica vai adorar. De toda forma, é uma bebida bastante refrescante e versátil. Um curinga”, define. 

No MeetMe, localizado no bairro de Lourdes, Zona Sul da capital mineira por exemplo, ele, além de protagonista, o gim também aparece como coadjuvante nos drinks Mandarim, com suco de tangerina e vodca, e no Black Cherry, feito com maracujá, suco de limão siciliano, framboesa e vodca. “Usamos só para dar uma temperada alcoólica”, acrescenta Cássio. 

Se a ideia for realmente transformá-lo em protagonista, vale o casamento com gengibre (que potencializa o sabor), caso do Gin n’ Gibre, trocadilho com o nome dos principais ingredientes servido na casa. Quer outra dica de profissional? Ao preencher o copo com tônica, evite fazê-lo do alto. 

“É preciso preservar as bolhas e, portanto, o gás da bebida”, adverte o especialista. 

 

Gim tônica com limão e pepino 
– Ingredientes:
50 ml de gim
120 ml de água tônica de boa qualidade
10 ml de suco de limão siciliano
 
– Modo de preparo:
Monte tudo em uma taça com gelo e decore a borda com um gomo ou fatia de limão siciliano ou de pepino, que também pode ser usado dentro do copo. 
 
* Receita do mixologista Filipe Brasil

Gimlet on the rocks 
– Ingredientes:

50 ml de gim
20 ml de suco de limão taiti
20 ml de simple syrup (xarope de açúcar)*
 
– Modo de preparo:
Bata tudo na coqueteleira e sirva em copo baixo sobre gelo. Decore com uma casquinha ou rodela de limão  
 
* Symple syrup: 
 
– Ingredientes:
600 gramas de açúcar
500 ml de água morna
 
– Modo de preparo:
Misture o açúcar na água morna, mas fora do fogo, até que dissolva completamente
 
* Receita do mixologista Filipe Brasil

London Spirit
– Ingredientes:

60 ml de gim
20 ml de suco de limão siciliano
15 ml de xarope de manjericão
200 ml de água tônica 
 
– Modo de preparo:
Encha uma taça alta com gelo e dose os ingredientes. Coloque a água tônica por último, tendo cuidado para não despejá-la do alto para preservar o gás da bebida. Misturar levemente com uma colher e adicione o limão e o alecrim. Aromatize a taça passando a casquinha do limão pela borda. Decore com ramo de alecrim e casquinha de limão. 
 
* Receita do mixologista Cássio Batista servida no MeetMe, em BH