O atacante montes-clarense Túlio de Melo, que jogou pela Chapecoense na última temporada, está de malas prontas para o Japão, onde vai atuar a partir deste mês. Antes da viagem, ele veio visitar familiares que ainda residem em Montes Claros. 

O jogador vestirá, por um ano, a camisa do Avispa Fukuoka. O clube japonês receberá o segundo jogador montes-clarense em sua histórias. Há 13 anos, o meia-atacante Bentinho também atuou pela equipe. 
 
CARREIRA
Aos onze anos de idade, Túlio jogava nos campos montes-clarenses quando foi descoberto por um olheiro que o levou para jogar no Atlético. Em 2004, foi jogar na Europa, onde passou por clubes de diversos países, como França e Dinamarca. Antes de se destacar com a camisa da Chapecoense, em 2017, Túlio já havia passado pela equipe catarinense em 2015. 

“Sempre sonhei em jogar fora do Brasil, mas quando a equipe de Chapecó me convidou para jogar no time, aceitei o pedido na hora. Foi uma experiência única. Os meus amigos que faleceram no acidente de avião de 2016 deixaram uma imensa saudade. O que contribuiu muito para a continuação do time foi os torcedores. Você olha para cidade e todos estão com a camisa do time”, afirmou. 

Túlio conta que recebeu quatro propostas de equipes da primeira divisão do Brasileirão para 2018 e outras de times da Arábia Saudita. Ele explica que escolheu o time asiático devido à cultura do país. 

“Neste momento quero uma vida tranquila. Estou com filho pequeno e preciso estar mais presente. Aqui no Brasil o calendário dificulta estar em casa. Analisei não somente o lado financeiro, mas também a história da equipe e de qual forma poderá contribuir com o time. Sempre tive curiosidade de conhecer e viver no Japão, o estilo de vida de lá me atrai muito. Espero que minha família de adapte ao novo país”, justifica.
 
GOL HISTÓRICO
Foi de Túlio o gol marcado no último minuto da partida, na vitória da Chapecoense sobre o Coritiba por 2 a 1 na Arena Condá. Com o resultado, a equipe catarinense conseguiu a melhor campanha da história do clube no Brasileirão e a classificação para Libertadores. Antes do gol, o Galo estava ficando com a vaga. “Fico feliz por ter marcado esse gol. Foi um lance muito fácil e minha especialidade, marcar de cabeça. Começamos o ano com três jogadores dentro do vestiário e terminamos com a melhor campanha da história do clube. Foi algo muito além do que esperávamos”, disse. 
 
OPORTUNIDADES
Montes Claros possui centenas de jovens que almejam a carreira nos campos. Atualmente, a sociedade luta pela ascensão do clube do Ateneu, mas a falta de incentivo no esporte afeta diretamente esse sonho.

“É uma vergonha a cidade não ter um time profissional de futebol. A cidade de Chapeco é menor que Montes Claros e a população respira futebol. Os empresários e políticos deveriam olhar mais para essa garotada. Os meninos não podem desistir do seus objetivos, pois sempre tem alguém olhando, e é aí que está a oportunidade”, conclui.