Vestindo o uniforme do time do coração, num momento crítico da temporada, diante do maior objetivo do clube no ano e com a missão de fazer gols. O atacante Rafael Moura tem a chance de virar herói do Atlético na disputa contra o Jorge Wilstermann (Bolívia), hoje, às 21h45, no Mineirão, no jogo que decide o futuro alvinegro na Copa Libertadores.

Desconfiada com o mau momento da equipe, a torcida do Galo terá de depositar as esperanças no reserva do lesionado artilheiro Fred. O ‘He-Man’ não teve boas apresentações recentes, contra Corinthians e Coritiba (mesmo tendo feito gol no Couto Pereira). Mas hoje precisará superar o momento ruim do time e ser o homem-gol da equipe alvinegra nas oitavas do torneio.

Terceiro jogador mais experiente do elenco (depois de Leonardo Silva e Victor), o camisa 13 voltou às origens quando acertou o retorno ao clube formador, em 2016. Mas foi emprestado ao Figueirense e começou a ser aproveitado apenas neste ano, no qual é o vice-artilheiro da equipe, com nove gols marcados.

Nesta Libertadores, Rafael Moura balançou as redes na única partida em que foi titular. Ele não terá a mesma facilidade encontrada diante dos também bolivianos do Sport Boys, na fase de grupos. Mas poderá sonhar em repetir um feito realizado na última edição da competição na qual esteve presente.
 
LEMBRANÇA
Em 2015, He-Man participou do gol contra que valeu a classificação do Internacional sobre o Santa Fe-COL, nas quartas de final. Isso aos 42 minutos do segundo tempo daquele confronto no Beira-Rio.

O camisa 13 não tem um histórico tão recheado de gols na Libertadores. Mas, se levado em consideração o desempenho na outra competição da Conmebol, é uma referência.

Rafael disputa o décimo torneio continental, somando as copas Libertadores e Sul-Americana. Na segunda, marcou 14 gols em 18 jogos, com direito à artilharia em 2010. Naquela edição, só não levantou o troféu defendendo o Goiás porque o Independiente-ARG teve mais sucesso na disputa de pênaltis na grande final.

O centroavante poderia ter até aumentado a estatística pessoal na Sul-Americana. No ano passado, pelo Figueirense, fez três gols sobre o Flamengo, pela segunda fase do torneio. Mas a derrota por 3 a 1, na volta, eliminou a equipe após o triunfo por 4 a 2 na ida.
 
DINHEIRO NO BOLSO
Se conseguir a classificação para as quartas de final, o Atlético garantirá mais R$ 3 milhões em premiação da Conmebol.

Uma bonificação capaz de auxiliar bastante nas despesas do Galo com a folha salarial. Afinal de contas, He-Man faz parte de um “super-ataque”.

Se não é pela quantidade de gols marcados, o sistema ofensivo da equipe se destaca pelo custo. Fred e Robinho ganham salários astronômicos, e representam mais de R$ 1,5 milhão por mês para os cofres.