Quando deixou Minas Gerais para tentar a carreira no Sul do país, em 2015, o meia Lucas Mineiro não imaginava que, como titular da equipe principal da Chapecoense, pisaria no Camp Nou para enfrentar Messi, Suarez e cia. Mas aconteceu.

Cria das categorias de base do Villa Nova, onde era chamado de Dodô, o belo-horizontino, filho de dona Nadia e neto de dona Edith, teve na última segunda-feira (7) a experiência mais incrível dos seus 21 anos.

Dono da camisa 25 da Chape e um dos onze atletas que restaram no clube após a tragédia na Colômbia, Lucas ficou encantado com a estrutura do clube catalão e, principalmente, com a postura dos craques que em outrora só tinha contato pela televisão. A derrota por 5 a 0 pouco importou. “Não tenho palavras para descrever este momento. Estou muito grato a Deus, pois ele só faz essas maravilhas. Os caras (jogadores do Barça) são diferentes, têm muita qualidade”, comenta . “Antes da bola rolar sempre tem aquela tensão, mas foi um dia muito especial. Eu queria desfrutar ao máximo”, acrescenta.

Sem perder a humildade, marca que vem de família, o ex-meia do Leão do Bonfim, além de ter a prova concreta de que fez certo ao deixar o time de Nova Lima, percebeu também que pode ir muito além na carreira.