Um dos jargões mais populares do futebol, a expressão “Grupo da Morte” é frequentemente acionada em Copas, onde o formato da competição se dá em divisão de grupos ou chaves. Quando se percebe um grande equilíbrio de forças reunidas em um lado só, pode esperar: qualquer comentarista esportivo vai fazer uso desta caracterização.

Nesta Copa na Rússia o “Grupo da Morte” se formou bem mais tarde que o habitual. Se na fase de grupos poderíamos apontar, no geral, uma seleção de times bem espalhada, sem concentrar grandes potências do futebol em um lado apenas, as quartas de final, que começam hoje, evidenciam elos fortes e fracos.

Afinal, não dá para negar que Brasil x Bélgica e França x Uruguai são confrontos de peso histórico e técnico muito maiores que os embates do outro lado da tabela, que envolvem Croácia x Rússia e Inglaterra x Suécia. 

A primeira conta é simples e exige olhar para o retrovisor da história das Copas: de um lado, somam-se nada menos que oito taças de Mundiais – cinco do Brasil (1958, 1962, 1970, 1994, 2002), duas do Uruguai (1930, 1950) e uma da França (1998) – em oposição ao troféu solitário conquistado pela Inglaterra em 1966.

Ainda no quesito história é inegável apontar que um lado reúne muitas equipes de pouca tradição no torneio, casos de Rússia e Croácia; enquanto o outro tem em seu representante menos “pesado”, a Bélgica – cujo melhor resultado foi uma terceira colocação na Copa de 1986 –, o adesivo de “Time Sensação” desta edição de 2018. 
 
CAMPANHAS ATUAIS
O segundo argumento diz da campanha que os times vêm realizando hoje, na Rússia. Um chaveamento que envolve equipes que superaram ou igualaram a marca dos dez pontos, somando fase de grupos e oitavas de final.

Brasil e França chegaram a este número com uma campanha de três vitórias e um empate, enquanto Uruguai e Bélgica somaram 12 pontos, pois ganharam os quatro jogos que disputaram no torneio.

A outra chave reúne apenas uma equipe que alcançou os dez pontos, a Croácia – com três vitórias e um empate. A Suécia conseguiu nove (três vitórias) e a Inglaterra e os donos da casa chegam às eliminatórias somando apenas sete pontos (duas vitórias e um empate). Ou seja: trata-se de um distribuição de pesos desequilibrados que entram em campo hoje.

Com dois dias de partidas, as quartas de final da Copa 2018 terão hoje os dois confrontos mais aguardados

A FICHA DO JOGO

Brasil
Alisson; Fagner, Thiago
Silva, Miranda e Marcelo;
Fernandinho e Paulinho;
Willian, Philippe Coutinho e
Neymar; Gabriel Jesus.
Técnico: Tite

X

Bélgica
Courtois; Alderweireld,
Kompany e Vertonghen;
Meunier, Fellaini,
Witsel e Carrasco; De
Bruyne e Hazard; Lukaku.
Técnico: Roberto Martínez

França
Lloris; Pavard, Varane,
Umtiti, Hernandez;
Kanté, Pogba; Mbappé,
Griezmann, Tolisso;
Giroud
Técnico: Didier Deschamps

X

Uruguai
Muslera, Cáceres,
Godín, Giménez e Laxalt;
Vecino, Torreira,
Bentancur e Nández; Suárez
e Stuani.
Técnico: Oscar Tabárez