Tem mudança no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Os candidatos vão ter 30 minutos a mais para fazer a prova do segundo dia, que reúne conteúdos de ciências da natureza e matemática. De acordo com o edital da prova, publicado ontem no Diário Oficial da União, no primeiro dia serão cinco horas e, no segundo, cinco horas e mia.

As provas serão realizadas em dois domingos seguidos: 4 e 11 de novembro. No primeiro dia serão aplicadas as provas de redação, linguagens e ciências humanas, e no segundo dia, ciências da natureza e matemática. As inscrições deverão ser feitas das 10h do dia 7 de maio às 23h59 de 18 de maio. A taxa foi mantida em R$ 82 e o pagamento deve ser feito entre 7 e 23 de maio.

O pedido de isenção da taxa de inscrição terá de ser feito entre os dias 2 e 11 de abril. Serão isentos os estudantes que estejam cursando a última série do ensino médio neste ano em escola da rede pública. Também os que cursaram todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada e tenham renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio.

O participante que declarar estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda e que esteja inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal também não pagam a inscrição. Neste ano, são isentos ainda os participantes do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) de 2017.

Os isentos da taxa de inscrição que não compareceram nos dias de prova no Enem do ano passado terão que justificar a ausência por meio de atestado médico, documento judicial ou boletim de ocorrência. O prazo para justificar a ausência vai de 2 a 11 de abril.

Quem não apresentar justificativa de ausência no Enem 2017 ou a tiver reprovada após o recurso e desejar se inscrever no Enem deste ano deverá pagar o valor da taxa de inscrição. O edital mantém a realização de revista eletrônica nos locais de prova, por meio do uso de detectores de metais. A novidade é que os alunos também deverão permitir que os artigos religiosos, como burca e quipá, sejam revistados pelo aplicador das provas. 

Segundo o edital deste ano, o participante afetado por problemas logísticos durante a aplicação poderá solicitar reaplica-ção do exame em até cinco dias úteis após o último dia de prova. Os casos serão julgados individualmente pela Comissão de Demandas. No ano passado, cerca de 3,5 mil estudantes tiveram que refazer as provas em outra data por problemas como falta de energia nos locais do exame.
 
REDAÇÃO
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) retirou do edital o item que determinava que a redação que desrespeitasse os direitos humanos teria nota zero. No ano passado, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou a suspensão da regra que previa a anulação da redação que violasse os direitos humanos.

Os resultados do Enem poderão ser usados em processos seletivos para vagas no ensino superior público, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).
Com Agência Brasil