Minas Gerais é o Estado com a menor proporção de crianças do 3º ano do ensino fundamental com níveis insuficientes de aprendizado. A constatação está na Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) de 2016, divulgada nessa quarta-feira. O destaque, porém, não é exatamente sinônimo de bom desempenho, pois a média nacional é baixa. No Brasil, mais da metade dos estudantes que fizeram o exame não sabe fazer conta de adição e subtração. 

O resultado mineiro não representa melhora, mas certa estagnação. No levantamento, 37% dos alunos não passam do nível básico para leitura, contra 31% na avaliação anterior, de 2014. Na comparação com o restante do país, o índice sobe. No Brasil, 54,7% das crianças não alcançaram o considerado suficiente. 

Os dados são preocupantes e podem afetar a trajetória escolar do aluno, dizem especialistas. “É um avanço lento, que está aquém do que se espera. Falta muito para atingir o necessário para a educação e alfabetização de qualidade”, afirma o pedagogo Carlos Roberto Jamil Cury.
 
IMPACTO  
A coordenadora do curso de pedagogia da Universidade Fumec, Alessandra Latalisa de Sá, afirma que a ampliação do acesso à educação básica é determinante para obter bons índices. “Minas, mais especificamente BH, ampliou a oferta de vagas na educação infantil, permitindo ao aluno contato com estruturas de escrita, números e leitura mais cedo e o prepara para alfabetização. Um contingente de crianças chega ao ensino fundamental já habituado à vida escolar”. 

A implantação do ensino fundamental aos 9 anos de idade também é destacada pela psicóloga e doutora em educação Karina Fideles Filgueira. “Minas foi o primeiro Estado a implementar, o que foi positivo. O ciclo de alfabetização em três anos melhora a qualidade do aprendizado”, afirma. 

 


Medidas para reverter cenário
Para tentar reverter o quadro de estagnação na aprendizagem, o Ministério da Educação (MEC) anunciou a Política Nacional de Alfabetização. Uma das medidas coloca assistentes de alfabetização em sala de aula, junto aos professores, abrangendo cerca de 4,6 milhões de alunos no país. A iniciativa deverá ser implantada em 2018.

Também foi criado o Programa de Residência Pedagógica, que vai oferecer 80 mil vagas para a formação de docentes a partir de 2018. Esse, inclusive, é um dos pontos mais importantes, segundo especialistas.

Psicóloga e doutora em educação pela UFMG, Karina Fideles Filgueira afirma que a formação de professores alfabetizadores é essencial. “Isso já ocorre, mas com pouca eficácia. O professor de qualidade é de primeira necessidade”, diz. 
 
EM MINAS
De acordo com a superintendente de Avaliação Educacional da Secretaria de Estado de Educação (SEE), Geniana Guimarães Faria, levantamentos como o ANA e o Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa), realizado pelo governo mineiro, são essenciais para o planejamento de políticas públicas. 

“Diminuímos o número de crianças no elementar (insuficiente) e aumentamos nos demais, o que mostra que conseguimos chegar em quem tinha mais dificuldade e melhorar o ensino também para eles”. 
 
APOIO EM CASA
Porém, não basta apenas o envolvimento dos professores. “Uma queixa deles é de que as crianças chegam com pouca informação em relação à leitura e escrita”, diz a doutora em educação Alessandra Latalisa de Sá.

As famílias precisam estimular o aprendizado fora da escola, observa a especialista. “Não é simular aulinhas, porque isso quem faz é o professor, mas inserir a escrita no uso do dia a dia”, finaliza.