Morador de Bocaiuva, no Norte de Minas, o estudante Daniel Luiz Damata Terra, de 17 anos, acabou de concluir um estágio no Ministério Público Federal (MPF). Há dois anos, ele sequer imaginava que isso seria possível. Tudo mudou quando decidiu fazer o curso de Recursos Humanos oferecido pela Escola Estadual Professor Gastão Valle, onde cursa o ensino médio.

“Soube do curso pela diretora da escola. No início, eu só queria passar o tempo. Estudava de manhã, fazia o estágio à tarde e o curso técnico à noite. Era muito cansativo, mas valeu a pena, pois ajudou no meu crescimento pessoal e profissional. Passei a compreender assuntos que, certamente, vão me ajudar quando eu estiver na faculdade”, conta Daniel, que planeja cursar Administração assim que terminar o ensino médio.

A cerca de 700 km de Bocaiuva, em Ubá, na Zona da Mata, quem também está fazendo novos planos para o futuro desde que concluiu o ensino médio e ingressou no curso de Técnico em Informática na Escola Estadual Deputado Carlos Peixoto Filho é o vendedor de material de construção Claudinei Chagas de Oliveira, de 48 anos.

“Escolhi o curso de técnico em informática pra conhecer mais sobre essa área. No início foi difícil, mas com o apoio da família já estou indo para o terceiro módulo. Agora, incentivo meus amigos a fazer também, pois é uma ótima preparação para o mercado de trabalho e demora menos tempo para concluir do que uma faculdade”, diz.

Daniel e Claudinei são dois exemplos, dentre os milhares de estudantes mineiros, que estão conseguindo mudar de vida graças à Rede Estadual de Educação Profissional (Rede).
 
EXPANSÃO
De 2016 para este ano, o número de vagas para nos cursos técnicos ofertados pelas escolas estaduais do Estado cresceu cerca de 150%, passando de 16 mil para 39.520.

São 988 turmas em 213 instituições. Somente no segundo semestre deste ano, 115 novas escolas das 47 Superintendências Regionais de Ensino (SREs) ingressaram na Rede.

O volume de investimentos também cresceu de forma significativa: de R$ 4,5 milhões em 2016 para R$ 26 milhões em 2017, um acréscimo de, aproximadamente, 480%. “Em 2018, a meta é abrir de 45 mil a 50 mil vagas e chegar ao total de 300 escolas”, ressalta Rafael Morais, diretor da Rede Estadual de Educação Profissional.