Os estudantes que pensam em estagiar em 2018 têm uma boa oportunidade nas mãos. Especialistas afirmam que o período de férias, até meados de fevereiro, é a melhor época para conseguir um espaço para ver a teoria na prática. 

Em Minas, o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) prevê a abertura de 3 mil vagas de estágio apenas no primeiro trimestre. Em todo o país devem ser 35 mil – 9,4% a mais do que no último ano, conforme o Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube).

O momento é propício para buscar um lugar no mercado de trabalho porque, em função das férias, quase metade dos candidatos deixam de comparecer aos processos seletivos alegando viagens. 

“As abstenções são muito maiores do que nos demais períodos do ano. Muitos jovens deixam para procurar vagas só quando as aulas voltam. A principal dica é aproveitar essa época em que a concorrência é baixa”, alerta a gerente de Treinamento do Nube, Yolanda Brandão.
 
PREPARAÇÃO 
Na maioria das vezes, o primeiro contato dos universitários com o ambiente de trabalho é por meio do estágio. Valorizar as experiências acadêmicas no currículo ajudam o candidato a se destacar entre os concorrentes. 

Foi o que fez Vinicius Oliveira, de 22 anos. Mesmo não tendo concluído a graduação em engenharia aeroespacial, o rapaz soube aproveitar o que aprendeu no curso para conseguir uma vaga em uma empresa de marketing digital. Ele começou a estudar relações públicas em julho de 2017. Dois meses depois já estava estagiando na área.

Na última etapa do processo seletivo, outras 13 pessoas, algumas que já estavam há mais tempo na graduação, também concorriam à vaga. “Eu sabia que queria trabalhar com marketing digital. Fiz cursos gratuitos on-line sobre o tema e me preparei antes mesmo de sair da engenharia. 

Nas entrevistas, destaquei que tinha domínio de cálculo. Meu chefe disse que saber mexer com métricas foi um diferencial”, conta Vinicius.

Para adquirir mais bagagem e se sair melhor na seleção, recorrer ao material disponível na internet é uma das dicas da psicopedagoga Daniela Pinheiro. “Há uma série de cursos gratuitos que ajudam o aluno a se aprimorar. Ele não vai pagar nada e terá um diferencial na qualificação”. 

Chegar pontualmente, verificar o local da entrevista e ler sobre a empresa antes de participar do processo também é essencial para evitar ansiedade desnecessária.

A especialista Yolanda Brandão completa que o universitário que confia na própria capacidade e nas experiências que viveu, sem se amedrontar com o currículo dos concorrentes, tem mais chances de conquistar o tão sonhado estágio.

“Ele não pode achar que é um zero à esquerda. O que mais importa no estágio são as experiências acadêmicas, como monitorias, projetos de iniciação científica, trabalho voluntário etc. O recrutador vai ver quais projetos ele desenvolveu e quais foram os resultados e as dificuldades”.