Alunos do 3º ano do Colégio Indyu comemoram a boa pontuação obtida nesta última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Muitos participantes da escola conseguiram notas acima da média, tanto nas questões de múltipla escolha quanto na redação.

Uma delas é Ana Carolina Camara, de 17 anos, que se formou no Indyu. Na prova de texto do Enem, ela se deu bem: 920 pontos. “Os temas eram sempre gerais e fomos pegos de surpresa por um assunto específico. O que me ajudou foi o treinamento por parte dos professores e da minha iniciativa de estudar por conta própria. Em 2017, eu li 85 livros que também me ajudaram a desenvolver uma boa redação”, disse.

Com o bom desempenho, Ana Carolina comemorou o nome dela na lista do Sistema de Seleção Unificado (Sisu), divulgado ontem. Agora, a jovem poderá tentar a vaga em um curso de direito em algumas universidades mineiras. Porém, a estudante adianta que não irá parar. “Novamente irei tentar o Enem visando a nota máxima para tentar medicina”, revela.

Para os que desejam se sair bem nos testes, Ana Carolina afirma que o ideal é começar a se preparar o quanto antes. “Eu não tinha tempo para estudar por causa do estágio, mas sempre organizava meu tempo para estudar por conta própria. Nossa mente é imediatista, não consegue enxergar um prazo muito longo. Muitos só começam a preparação quando a prova está chegando. Mas quando o preparo é bem feito, no final vamos dizer que valeu a pena”. 
 
SURPRESA
Assim como a candidata, a coordenadora pedagógica do Colégio Indyu, Luciana Mota, afirma ter ficado surpresa com o assunto da redação do Enem do ano passado. Segundo ela, na instituição os alunos foram preparados sobre o tema “inclusão” de maneira geral. Porém, o pedido foi bastante específico: os candidatos tiveram que desenvolver um texto sobre a educação inclusiva de surdos.

“Há toda uma preparação, e alguns ficam inseguros quando o tema é específico. O resultado foi excelente, onde observamos que nossos alunos colocaram todo o processo de ensino-aprendizagem trabalhado dentro da proposta”, frisou Luciana.

Durante o ano, a escola trabalha vários temas e gêneros apoiando os alunos na elaboração dos textos. Em um seminário de redação, são produzidos documentários, apresentados em uma mesa redonda com a participação dos professores e convidados. Ao longo do ano, vários temas prováveis e redações produzidas são trabalhadas para enriquecer o conhecimento cultural de língua e linguagem dos candidatos. 
 
NOVIDADES
Para este ano, a escola lançou projeto contraturno, com um dos focos no Enem, para discutir as questões que podem ser cobradas nas provas. Dessa forma, espera-se que o aluno tenha entendimento e compreensão do que foi proposto, ajudando nas habilidades de leitura.

De acordo com a direção do Indyu, o resultado dos trabalhos realizados pela instituição fechou os dois anos com saldo positivo. Um dos destaques é a maior adesão dos pais no acompanhamento dos alunos por meio das mídias digitais. Em um site, também são divulgadas tarefas e calendários de provas.