O Núcleo de Ópera e o Rotary Club de Montes Claros – União promovem, na próxima sexta-feira, uma noite com diversas atrações culturais, que reúnem música e literatura, na Chácara Bugarin. As apresentações serão em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado na véspera. 

Entre as atrações está o tenor Márcio Valle, que compõe o coro do Teatro Municipal de São Paulo. O artista é natural de Belo Horizonte, mas morou até seus 13 anos entre Belo Horizonte e Bocaiuva-MG.

“Já há algum tempo, a Maristela Cardoso vem me convidando para uma apresentação em Montes Claros, mas por conta da agenda apertada do Teatro Municipal de São Paulo não tive oportunidade”, conta Valle. Ele diz que está muito feliz de poder participar do Recital de Canções Clássico Seresteiras. “Finalmente, posso subir ao palco nessa cidade que tenho como muito querida, onde vivenciei momentos felizes da minha infância. Tenho vários parentes na cidade, inclusive a Jussara Caldeira que é minha primal,” relata o tenor.

Em 1960, o músico foi morar em Brasília, no exato mês da inauguração da cidade. Seu pai, que era pastor da Igreja Batista tradicional, além de tocar órgão e cantar, foi o primeiro a incentivá-lo. Por meio dele veio o gosto pela música e foi seu pai, sua inspiração para iniciar no canto. 

“Fiquei maravilhado ao assistir a um concerto de oboé e fagote na Escola de Música de Brasília Então decidi estudar oboé, canto e violão, e cheguei a tocar em orquestras e bandas sinfônicas daquela escola como oboísta”, diz.

Mais tarde, Valle participou como solista e coralista em várias montagens operísticas do Teatro Nacional de Brasília. Em 1995, entrou para o Coral Sinfônico do Estado de São Paulo, onde foi solista na Paixão de São Mateus e outros concertos daquele coral, sob a regência de Eleazar de Carvalho. Não parou mais.


“Tenho a missão de emocionar o público”
Logo depois, o tenor Márcio Valle foi chamado para o Coral Lírico Municipal, do Teatro Municipal de São Paulo, onde atua em todas as montagens operísticas até hoje. Somam-se aí uns 33 anos de carreira entre o boé, canto e violão. 

“Paralelamente, desenvolvo um trabalho de pesquisa da música brasileira e me apresento em concertos nas salas de cultura da cidade”, diz o tenor. Também canta na rede Sesc, em São Paulo. “O gosto pela música brasileira veio de quando trabalhei com a programação musical na Rádio Nacional de Brasília, onde tive contato com a música brasileira em suas mais variadas nuances e estilos”, acrescenta.

No recital de sexta-feira, Valle cantará modinhas e canções brasileiras, como também canções napolitanas e temas de musicais famosos.

“Toda vez que subo ao palco, o faço com muita alegria, porque sei que tenho a missão de emocionar e sensibilizar o público, e espero poder fazê-lo mais uma vez com este dom que me foi dado por Deus”, diz. Para ele, é um grande orgulho e satisfação poder retornar a Montes Claros. “Essa cidade onde passei parte da minha vida, trazendo na bagagem e no peito um pouco daquilo para o qual vim a este mundo, ou seja, a minha arte, o meu canto.”

Na mesma noite, haverá ainda o lançamento do livro “O Folhelho – Histórias de Vida”, do escritor português Fernando Paralta. 

Os artistas Maristela Cardoso e Roberto Mont’Sá também vão se apresentar durante o evento. Haverá sorteio de brindes e vinho do porto.

Após o lançamento, o público vai poder cantar e dançar com a bateria do Morada do Parque, sob a coordenação de Josecé Santos. Os convites custam R$ 130 com bufê incluso e livro autografado pelo autor. Informações pelos telefones (38) 98821-8976 e 99200-8137.