O ator e diretor montes-clarense Diógenes Câmara encena, a partir de hoje, três monólogos no Centro Cultural Hermes de Paula, todos às 20h30. Com 55 anos de carreira, o ator se sente feliz e com muito fôlego para os espetáculos.

“É uma alegria estar nos palcos. No próximo sábado, comemoro 79 anos de vida e estarei festejando, nesta idade, a capacidade de interpretar esses três monólogos, coisa jamais realizada por um ator em Montes Claros”, diz.

O monólogo “As Mãos de Eurídice” será interpretado hoje. Na quarta-feira, será a vez de “Eu Procópio” e fechando as apresentações deste mês de abril, “O Diário de um Louco” na próxima sexta-feira.
 
HISTÓRIAS
O monólogo “As Mãos de Eurídice” traz a história de um escritor que decide abandonar a família. Aos poucos, ele chega à ruína, pois a amada Eurídice acaba gastando toda a sua fortuna. Algum tempo depois, os dois se separam e, arrependido, ele volta para casa, mas a família que encontra não é mais a mesma. A esposa, por exemplo, já tem um novo marido. Escrita por Pedro Bloch, é considerada o primeiro monólogo interpretado no Brasil. Sua estreia aconteceu no dia 13 de maio de 1950, no Rio de Janeiro. 

“Eu Procópio” conta a história de um dos maiores atores do país que representou mais de 450 peças, de todos os gêneros, desde o teatro de revista até a tragédia grega. Em toda a história do teatro nacional, ele foi o ator que maior número de peças nacionais interpretou. Também o que mais autores lançou.

O “Diário de um Louco” conta a história do funcionário público Barnabé, um louco perdido em devaneios apaixonados, que ora se vê em uma monarquia, ora está preso em um manicômio. A adaptação traz para o enredo situações atuais da política brasileira.
 
SERVIÇO
Os ingressos custam R$ 10 e o pacote para os três dias sai a R$ 20. Os monólogos vão ser apresentados, no Centro Cultural Hermes de Paula, que fica na praça Dr. Chaves, 32, no centro da cidade.