Atração da próxima sexta-feira na Boate Ludic, a montes-clarense Bárbara Lopes começou cantando na igreja. Em casa, ouvia de tudo: MPB – em especial Roupa Nova, Djavan, Ana Carolina – Axé (Daniela Mercury, Ivete Sangalo) e música internacional. O resultado dessa mistura pode ser conferido no show que será recheado de hits contemporâneos. Os cem primeiros convidados serão presenteados com o novo CD da artista. 
 
O que preparou para esse show de sexta-feira na celebração de oito anos de carreira?

Sou de uma família muito musical, então não teria outro futuro pra mim se não a música (risos). Comecei cedo na igreja e hoje, graças a Deus, tenho orgulho de dizer que trabalho com o que mais amo fazer, que é cantar.

Minha carreira vai bem, graças a Deus, cada passo uma nova conquista. São oito anos de carreira, sendo que cinco são solo. Ao todo, são quatro CDs gravados e um DVD. Todo ano lanço um CD Promocional para meus fãs, feito com algumas músicas que tocaram e destacaram durante o ano. Claro, tendo meu mais novo trabalho, minha música de trabalho, “Minha Cover”!
 
Não é fácil viver de música...
Graças a Deus tenho meus amigos, familiares e fãs que me ajudam e me incentivam muito. Mas a música relacionada a remuneração é trabalho muito desvalorizado. Algumas pessoas não têm ideia do quanto é trabalhoso a música. É divertido? É, mas tem as lutas e dificuldades como qualquer outra profissão.

Você já abriu alguns shows de artistas conhecidos da mídia. Como foi a experiência?
Graças a Deus, tive grandes parceiros que me deram a oportunidade de conhecer e cantar com alguns artistas do Brasil. Já abri shows de nomes com referência no axé music, no sertanejo, no forró, entre outros. Tive oportunidade de dividir palco com Léo Santana, Reinaldo Terra Samba, É o Tchan, Chicabana, Harmonia do Samba, e o mais recente que foi uma experiência incrível, a dupla César Menotti e Fabiano.

 
Quem consola Bárbara quando tristezas e inseguranças estão prontas para explodir?
A minha mãe sempre me ensinou a ter fé e a buscar em Deus todos os nossos sonhos! Deus me ampara sempre. Mas aqui na terra a pessoa que sempre me dá o seu colo, me ama e consola quando preciso é a minha mãezona Graça!
 
Como criar diferencial no trabalho quando se trata de um movimento musical como o axé, por exemplo, com tantas cantoras e suas particularidades?
Prefiro não rotular meu estilo. Canto para o povo, o que eles querem escutar. Mas o axé foi minha escola e tenho muito orgulho.
 
Ainda é preciso o artista se deslocar para as grandes cidades ao tentar uma carreira de sucesso?
Acredito que sim. Mas a luta é a mesma. É um desejo grande que ainda tenho, de tentar em alguma capital.